CANTO DE FRASSINO

Os meus horizontes são de Vida e de Esperança !

Textos

LASANHAS COLORIDAS
“Na era dos petiscos”

- Tem cá, senhor Mateus, aquilo do costume?
- Hoje não há…, porém, tê-las-ei pra semana!
- As coisas como estão por cá, tudo presume:
O take away – oh, está na moda a preço de lume!
Só falta que nos levem a comida à cama…

- Não vá mais longe, Manecas, é abrir a televisão
Que há lasanhas – e coloridas! – por todo o lado…
Não há receio que nos falte a refeição
Que, bem vistas as coisas, pelo sim, pelo não,
Cada cliente bem pode ficar descansado!

- Pois, é verdade, há coisas por aí tão estranhas
Que cada um já não sabe s´ está vivo ou morto!
Se as coisas que se vêem são veras ou patranhas,
Como o qu´ aconteceu no nosso aeroporto…
E, então, no Parlamento, ´stá? É só lasanhas!

- Concordo, Manecas, ou não me chame eu Mateus:
Os negócios estão pelas ruas da amargura,
Não fazem nada por nós… Mas eles, ó céus,
Quase que nos obrigam a rezar a Deus
Enquanto s´ abotoam em tudo, bem à fartura!

- Nas eleições, o que se viu… foi só serrote;
Os polícias, uns com os outros, só bandalheira;
Os hospitais já s´ acham todos em desnorte;
Quem devia dar o exemplo não tem nenhum porte
E, nós, que andamos cá a fazer a vida inteira?

- Mais uma vez, Manecas, acho que tem razão…
Quem nos governa olha mais para o estrangeiro;
Dentro da nossa casa, já vai faltando o pão
E, não há guito pra uma lasanha em condição
Enquanto se discute quem se vacina primeiro?...

- É uma vergonha, sim! Tal vai a vigarice,
Tal vai a corrupção e, até, a impunidade;
E, cada discussão sanitária dá tolice,
E, mais, a burocracia só nos dá chatice,
Ficando-se sem saber quem nos diz a verdade…

- Quanto a mim, quem ganha co´ isto é a corona!
Pois, como vê, ninguém respeita a quarentena
E a justiça que temos nem aparece à tona
E, assim, a doença continua como dona
E, o que é pior, do cidadão ninguém tem pena!

- Sabe uma coisa, Mateus? Só o desenrascanço,
Por aqui e por ali, é que vai dando uns troquitos
E, na verdade, se tal não fora, não havia descanso
E o Estado, para nós, tanto é forte como manso
Ficando-nos, de reserva, uns míseros manguitos!

- Lá chegaremos, Manecas… essa é que é a receita!...
A propósito, sempre quer fazer a encomenda?
- Ok, aponte aí umas três ou quatro, de empreita,
Coloridas… petisco a que toda a gente s´ ajeita…
Belas lasanhas, daquelas que são boa merenda!    

Frassino Machado
In ODIRONIAS
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 02/02/2021
Alterado em 02/02/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras