CANTO DE FRASSINO

Os meus horizontes são de Vida e de Esperança !

Textos

O JUMENTO E O CAVALO
“Ode Pensadora”

Dois animais ficaram célebres na história,
Um de nome jumento, outro de nome cavalo.
O primeiro, má vida, curta e irrisória;
O segundo, boa vida e repleta de regalo.

O jumento, coitado, mal dotado de memória,
Só trabalho e mais trabalho e reles vassalo;
O cavalo, um senhor e dotado para a glória,
Só prazer e bom trato e poder sem intervalo.

A escola do primeiro foi vida de burrice,
E sempre ao beija-mão e na ingenuidade;
A escola do segundo, só de gabarolice,
Usuário de mordomias, presunção, vaidade.

O pobre do jumento, zurrando mansidão
Co´ a sua dieta toda feita de mil abrolhos
E nem o pão-de-ló faz parte da ração
E, nos duros trabalhos, vendas sobre os olhos…

O cavalo, qual príncipe de linhagem real,
Relinchando por boas favas e pouca erva
Ele faz questão de nunca ser tratado mal
E, d´ altas honrarias, tem imagem e reserva!  

O jumento e o cavalo, o cavalo e o jumento –
O povo e a nobreza, a nobreza mais o povo –
Tão grande a diferença, quanto a tratamento
E, debaixo do sol, nunca nada se fez de novo…

A estória do jumento é a história de Sancho Pança,
A estória do cavalo é a história de Dom Quixote,
Qualquer dos dois, bem ponderados na balança,
São testemunhos vivos disfarçados de capote.

- A minha maior honra foi co´ o bom Cristo ver
Aquela Jerusalém rendida de par em par…
- A minha maior glória foi co´ o Ben-Hur vencer
Aquela grande corrida que era para ganhar!

- Eu, cá para mim, já me chega a minha burrice,
E a quem me usa por bem sempre feliz o deixo
E há até quem diga que este jeito não é tolice,
Pelo contrário, é pura ciência, como disse Aleixo.

- Olhem lá, este pedante, a querer fazer troça…
Vou sacudir o pó e seguir minha viagem:
Enquanto ele, burro de carga, puxa uma carroça
Eu me orgulho com uma luxuosa carruagem!

Neste debate nada existe em desarmonia
Mas comporta esta minha Ode Pensadora,
A vivência concreta, cantada em poesia,
Duma história dramática denunciadora.

(Entre jumento e cavalo não opines ao de leve –
É este o argumento qu´ a ninguém desilude –
Antes quero, porém, jumento que me carregue
Do que um soberbo cavalo que me derrube.)


Frassino Machado
In RODA-VIVA POESIA
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 20/05/2020
Alterado em 20/05/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras