CANTO DE FRASSINO

Os meus horizontes são de Vida e de Esperança !

Textos

FRAGMENTOS DE SÃO MARTINHO
(Quadras sobre provérbios tradicionais)

- A cada bacorinho vem o seu São Martinho.

Anda, anda bacorinho
Vai comer da fresca relva
Aproveita o São Martinho
Para fugir da tua selva.

- Em dia de São Martinho atesta e abatoca o teu vinho.

Apura bem o teu vinho
Não o deixes minguar
Se o provas no São Martinho
Bebe-o sem embebedar.

- São Martinho bebe o vinho, deixa a água para o moinho.

Para o pão ficar limpinho
Do moinho as águas movem
Mas chegando o São Martinho
Só bom vinho bebe o homem.

- No dia de São Martinho, fura o teu pipinho.

Nem todos sabem furar
Na adega o seu pipinho
E se o vinho não se poupar
Não dará pro São Martinho.

- No dia de São Martinho, come-se castanhas e bebe-se vinho.

Às vezes comem-se nozes
E outras coisas estranhas,
No São Martinho dizem as vozes
Não há nada com´ as castanhas.

- No dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho.  

Sentemo-nos aqui ao lume
Castanhas e vinho à maneira
Com São Martinho já´ é costume
Estarmos juntos à lareira.

- No dia de São Martinho, mata o teu porco, chega-te ao lume, assa castanhas e   prova o  teu vinho.

Por alturas de São Martinho
Na minha aldeia há matança
E há castanhas e bom vinho
Com petiscos de confiança.

- No dia de São Martinho, mata o teu porco e bebe o teu vinho.

Matar o porco não chega
No Verão de São Martinho,
É preciso trazer da adega
Uma boa infusa de vinho.

- No dia de São Martinho, vai-se à adega e prova-se o vinho.

Toda a gente vai à adega
No dia de São Martinho
Fêveras, castanhas à pega,
Regadas por belo vinho.

- Pelo São Martinho abatoca bem o teu pipinho".

Se não sabes a abatocar
O pipinho lá de casa
É São Martinho a avisar
Que já tens um grão na asa.

- Pelo São Martinho castanhas assadas, pão e vinho.

Sejam cozidas ou assadas
Venham elas e mais venham
São Martinho serve-as dadas
Àqueles que as não tenham.

- Pelo São Martinho mata o teu porquinho e semeia o cebolinho.

Nem só o vinho é São Martinho,
Ele próprio o determina,
Há que semear o cebolinho
P´ la orvalhada da matina.

- Pelo São Martinho prova o teu vinho; ao cabo de um ano já não te faz dano.

Faz tua prova de vinho
Com uma branca caneca
Se não for no São Martinho
És totó levado da breca.  

- O Sete-Estrelo pelo São Martinho, vai de bordo a bordinho; à meia-noite está a pino.

Venha de lá o Sete-Estrelo
Com o São Martinho a bordo
Já o careca tem cabelo
E o abade está mais gordo.

- Se o Inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo São Martinho.

São Martinho é conta certa
Chega sempre o seu Verão
Vou-me já à descoberta
De uma outra diversão.  

- "Se queres pasmar o teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo São Martinho".

Não quero pasmar o vizinho
Com mais uma trabalheira
Mas pedirei ao São Martinho
Que não mingue a esterqueira.

- Verão de São Martinho são três dias e mais um bocadinho.

Vindimar a tempo o vinho
É saber, sem complicar,
Pois que pelo São Martinho
Até o Verão tende a acabar.

- Vindima em Outubro que o São Martinho mais te dará.

Vindimar tarde demais
É prejudicial para o vinho
Comem os bagos os pardais
Pra desespero de São Martinho.

- Não há bacorinho sem o seu São Martinho.

S´ é fartura ter bacorinho,
E haver castanhas à farta
Pra alegria de São Martinho
Que entre nós ele a reparta.

- Quem parte e reparte e não escolhe a melhor parte ou é tolo ou não tem arte

Ele há cortes e recortes
Em toda a economia séria,
São Martinho entre os fortes
Foi remédio pra miséria

Aprenda-se com São Martinho
Este gesto-maravilha:
A quem pede dar carinho
E, já agora, uma partilha.

Quem no mundo tem poder
Olhe para o São Martinho
Do que não precisa de ter
Dê a todos um poucochinho.

Se os poderosos o não fazem,
Como o não faz quem é tolo,
Por entre misérias trazem
Para Humanidade dolo.

O São Martinho escolheu
Para si a melhor parte:
Se ele ao mendigo aqueceu,
Vejam lá se não teve arte!

Frassino Machado
In FRAGMENTOS POÉTICOS

(Quadras sobre provérbios tradicionais)

www.frassinomachado.net

Bibliografia:
Machado, José Pedro O Grande Livro dos Provérbios, Ed. Notícias, 1996
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 06/11/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras