CANTO DE FRASSINO

Os meus horizontes são de Vida e de Esperança !

Textos

FOLHAS DE OUTONO
Ao Armando David

As minhas folhas de outono
Jamais as posso negar
Trago a alma ao abandono
Por não as poder contar.

Elas chamam-se ilusões
Sem loucura nem transtorno
São filhas das emoções
As minhas folhas de outono.

Uma a uma vão caindo,
Às vezes parecem bailar,
Porque estão sempre fluindo
Jamais as posso contar.

Pairam pelo dia à solta
P´la noite tiram-me o sono
Porque andam à minha volta
Trago a alma ao abandono.

A vida me corre serena
Não urge nada mudar
Tenho pena, muita pena,
Por não as poder contar.

Nesta minha condição,
Corpo e alma em sintonia,
Co´ a liberdade por guião
Amparo-me à poesia.  

Parece-me não ter fim
Esta serena estação
O outono esconde-se em mim
Quer eu o queira, quer não.

Divinas Euterpe e Polímnia
Que me tendes por encanto
Inspirai-me alínea a alínea
Neste poema e neste canto.

Frassino Machado
In JANELAS DA ALMA
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 26/10/2018
Alterado em 26/10/2018


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras